Na era da inteligência artificial, dados podem até ajudar, mas o que conquista mesmo o consumidor continua sendo a capacidade de emocionar e de fazer uma pessoa se sentir única e especial Juliana Saab* Quem nunca passou pela vitrine de uma loja e suspirou de “amor” por um novo telefone celular, roupa, viagem, carro? Tem…